Civic, primeiro automóvel produzido pela Honda no Brasil, acaba de completar 20 anos de produção no País. Neste período, o sedã médio da marca japonesa introduziu no mercado nacional diversas inovações e tecnologias sendo um dos principais responsáveis pela construção da história e da imagem da Honda Automóveis no Brasil. Em 20 anos, mais de 630 mil Civic produzidos no País chegaram às mãos dos consumidores, em cinco diferentes gerações, introduzindo novos parâmetros para a construção não só de sedãs, mas de automóveis no Brasil. Desde o início das vendas do modelo no país, somando os modelos importados, já foram comercializados mais de 650 mil Civic, dos mais variados modelos.

6ª geração (1997) – O primeiro modelo do Civic fabricado no Brasil foi um carro inovador para sua época e detentor de equipamentos diferenciados. Com o conceito de trazer versões completas – LXB-MT, LX-MT, LX-AT, EX-MT e EX-AT -, sem opcionais, o Civic lançado em 1997 oferecia ao consumidor tecnologias como suspensão independente, barras de proteção contra impactos laterais nas portas, um moderno motor com bloco e cabeçote em alumínio, dentre outros diferenciais de série, como direção hidráulica com regulagem de altura, vidros elétricos em todas as portas e abertura de porta-malas e tanque por dentro do veículo.

Nas versões mais completas, o Civic oferecia tecnologias de segurança como freios ABS e airbag duplo, bem como itens de conforto, como controle de cruzeiro e transmissão automática. Desde sua primeira geração vendida no Brasil, o Civic foi construído seguindo os padrões globais da marca de qualidade, tanto em componentes como no processo construtivo.  Em 1999 o modelo receberia um leve facelift e mais equipamentos.

7ª geração (2000) – Em dezembro de 2000 é lançada a sétima geração do Civic no Brasil, em simultâneo com os Estados Unidos e o Japão, já como modelo 2001, nas versões LXB-MT, LX-MT, LX-AT, EX-MT e EX-AT. A nova geração do modelo, a segunda fabricada localmente, era um projeto totalmente novo, que incorporava inovações construtivas inéditas no segmento, como o assoalho plano para os ocupantes dos bancos traseiros e um design moderno e completamente reformulado.

Com mais espaço interno, porta-malas com maior volume e motorização mais eficiente e potente – de quatro cilindros em linha, 1.7, de 115 cv ou 130 cv, dependendo da versão, o Civic, novamente, estabelecia um novo padrão de qualidade e de construção para os sedãs da época. As versões de entrada passaram a incorporar mais itens de série, como os airbags duplos à partir da versão LX. O resultado é que o modelo fechou o ano de 2001 como líder de vendas no segmento, com 21.402 unidades comercializadas naquele ano. Em agosto de 2003, a Honda comemorava a produção do Civic nacional de número 100.000, enquanto em 2004, o modelo passava por uma atualização de design.

8ª geração (2006) – Em abril de 2006 a Honda apresentava ao mercado o inovador New Civic. O modelo era uma completa ruptura no segmento de sedãs médios, estabelecendo-se como a referência em design, construção e tecnologia. Um passo à frente dos sedãs da época, o New Civic se destacava pelo design futurista com linhas arrojadas, painel com informações distribuídas em dois displays e uma ergonomia diferenciada, com os comandos voltados para o motorista. Em março de 2007, a Honda Automóveis do Brasil apresentava o carro mais potente produzido em série no Brasil para a época: o Civic Si.

O sedã, transformado em um autêntico esportivo, trazia motor 2.0 i-VTEC de 192 cv, transmissão manual de seis velocidades, com diferencial de deslizamento limitado, bem como suspensões, freios e conjunto de rodas e pneus esportivos. Internamente o Si incorporava um novo painel, com iluminação vermelha e shift light integrado e bancos esportivos com costura vermelha.  Em seu primeiro ano de vendas no Brasil, o modelo teve quase duas mil unidades comercializadas (1.935 veículos). Em setembro de 2008, a Honda alcançava outro importante marco nas vendas do modelo, totalizando 300 mil unidades fabricadas no Brasil. No ano seguinte, o modelo passava por sua primeira atualização visual na oitava geração, enquanto a versão EXS passava a adotar o sistema VSA de controle de tração e estabilidade, já presente no Si desde seu lançamento.

9ª geração (2012) – A nona geração do Civic chegou no fim de 2011 trazendo inovações em equipamentos, mais espaço interno e um design completamente novo, mais elegante e voltado a permitir um maior espaço para bagagens.  Comercializado em três versões, LX-S LX-L e EX-S, o Civic de nona geração introduziu a central multimídia i-Mid, de 5 polegadas, com conexões Bluetooth e USB, direção elétrica adaptativa MA-EPS, que atuava em conjunto com o VSA na versão EX-S, bem como o botão ECON em todas as versões, que permitia uma condução mais econômica, ajustando diversos parâmetros do veículo.

O sedã ficou ligeiramente maior, com o comprimento ampliado para 4.525 mm, enquanto a capacidade de combustível aumentava dos 50 litros da 8ª geração para os 57 litros da 9ª geração. A ergonomia diferenciada do Civic anterior, com os instrumentos posicionados em dois níveis, foi mantida e aprimorada, com a introdução de um novo display na parte superior do painel. A versão EX-S ficou ainda mais segura, com a introdução de airbags laterais. Em 2014, o modelo recebeu a nova motorização 2.0 i-VTEC FlexOne e alcançou a importante marca de 500.000 automóveis produzidos no Brasil. Em 2015 o modelo recebeu leves retoques visuais e a introdução do sistema FlexOne para toda a linha.

10ª Geração (2016) – Apresentado ao mercado em agosto de 2016, o Novo Civic Geração 10 representou um dos mais complexos e ambiciosos projetos da Honda, exigindo um comprometimento sem precedentes dos recursos de pesquisa e desenvolvimento e da engenharia da marca. Tratou-se da maior e mais extensa renovação do modelo em toda sua história, que resultou na criação de um automóvel mais sofisticado, espaçoso, seguro e tecnológico, com eficiência e desempenho.

O Civic Geração 10 foi desenvolvido para estabelecer um novo padrão de performance dinâmica em seu segmento e para competir com sedãs sofisticados em aspectos-chave como sensação ao volante, precisão de direção, qualidade de rodagem e nível de ruído e vibração. Também se destacam o desempenho em aceleração e frenagem, a entrega de potência de forma linear e a eficiência energética. O Civic Geração 10 também foi o primeiro modelo da Honda no Brasil a introduzir a motorização turbo combinada à transmissão CVT. Todo esse desenvolvimento do modelo foi reconhecido pelas diversas premiações recebidas no Brasil e, também, no mundo.

 

 

 

 

 

 

Fonte: Honda do Brasil / Imprensa
Fotos: Divulgação

Anúncios