Por Carlos A. Castilho”

Carlos Castilho

Continuando com nossa viagem através das origens dos vários tipos de carrocerias, vamos agora conhecer um pouco melhor os sedans, sua definição e sua tipologia. Por definição, um sedan é feito para transportar pelo menos quatro adultos e suas bagagens e a princípio deveria, necessariamente, possuir o que chamamos de “coluna B”, utilizada como recurso para suportar o teto do automóvel. Eu disse “deveria”, pois existem exceções a essa regra. E vamos tratar delas em breve.

E falando em exceções, por enquanto aqui vai mais uma informação importante: apesar da maioria das pessoas achar que os sedans devam necessariamente possuir quatro portas e três volumes, nenhuma dessas afirmações é totalmente correta, pois também existem tanto sedans de dois volumes como sedans de duas portas. Aí o caro leitor deve, com razão, estar pensando: “Xi…Agora complicou tudo”. De fato, as definições de alguns tipos de carrocerias não são tão simples como parecem à primeira vista. Um dos motivos para isso é que o próprio automóvel passou por transformações relativamente profundas ao longo do tempo e nem sempre os fabricantes respeitaram as definições técnicas pela fria letra das normas estabelecidas. Essas “mudanças das regras”, por motivos de marketing, foram alterando as definições, aumentando-as em complexidade e dando verdadeiros “nós” nas cabeças dos aficionados por automóvel. E já que dessa complexidade não poderemos escapar, procuremos então definir os tipos de sedans mais conhecidos e aceitos internacionalmente.

Os Sedans Fastback (ou, como é fácil misturar as coisas) – Para quem achava que sedan era sinônimo de três volumes e quatro portas, saiba que existem aqueles com dois volumes e, ainda por cima, com duas portas. Nessa configuração o teto inclina-se suavemente em direção à traseira, incorporando o volume ocupado pelo porta-malas ou pelo motor, volume esse que é acessado através de uma pequena tampa, que não abrange a área envidraçada. Esse tipo de sedan é mais antigo do que se pensa e suas origens remontam os anos 1930. Um perfeito exemplo de sedan fastback foi o Volkswagen Passat quatro portas de primeira geração.

Acima: Plymouth 1941 e Volkswagen Passat 1975: Ambos sedans fastback de quatro portas onde se notam o teto unido à traseira através de um plano inclinado e uma pequena tampa de acesso a um porta-malas incorporado ao volume do habitáculo

 

Volkswagen Fusca e Volkswagen 1600 TL. A curiosidade nesse exemplo de sedans fastback de duas portas é que ambos utilizam motor traseiro. Ainda assim, o TL possui porta-malas traseiro, logo acima do conhecido motor boxer a ar de quatro cilindros

Se você ainda tem dúvidas sobre as diferenças entre um sedan fastback de duas e de quatro portas, veja abaixo um exemplo com as duas versões de um mesmo modelo, um Chevrolet Fleetline Aero Sedan de 1950. A versão duas portas bem que poderia passar por um cupê. Nesse caso, o que diferencia um sedan de um cupê é o espaço disponível no banco de trás. Em um sedan ele deve seguir normas de volumetria que permitem a acomodação de pelo menos dois adultos. Essas normas podem variar dependendo do órgão normatizador.

 

*Carlos Castilho é designer automotivo e professor universitário há mais de 20 anos. Há cinco anos é o responsável pela disciplina História do Automóvel, na Escola de Restauração de Veículos Antigos (www.escoladerestauracao.com.br)

Anúncios